Quase todo usuário de Firefox que tem um blog já postou uma lista de extensões recomendadas. Chegou a minha vez! Sei que muitas aqui já são velhas conhecidas da maioria, mas acho interessante ressaltar a importância. Hoje em dia é difícil imaginar o desenvolvimento web sem o auxílio do Firefox. Segue abaixo a lista de extensões que eu recomendo:

  • Firebug

    Como não poderia deixar de ser, o primeiro da lista, e totalmente indispensável, é o Firebug. Seria até exagero chamá-lo de extensão, pois o Firebug é uma verdadeira plataforma para debug de aplicações web. Com ele é possível, além de inspecionar visualmente o código HTML, seja diretamente pelo código, seja selecionando o componente visual associado a ele, é possível modificar o código, alterando, excluindo ou incluindo tags, e o resultado aparece em tempo real. O mesmo pode ser feito com os códigos Javascript e CSS da página. Há também um console para debug; é possível utilizar o comando console.log("texto") no seu código Javascript, e durante a execução, o texto será exibido no console do Firebug. Também é possível visualizar o resultado de todas as requisições, incluindo arquivos carregados (imagens, arquivos CSS, Javascript e Flash) e chamadas assíncronas (Ajax), exibindo o cabeçalho da requisição, o resultado, o tamanho do arquivo e o tempo de resposta. Esta extensão é tão poderosa que há extensões para ela, como o YSlow, do Yahoo, que exibe estatísticas de desempenho da página.

    Como o Firebug é só para Firefox, foi lançada uma versão Lite que também funciona com IE, Opera e Safari. Nunca testei esta versão, porém acredito que seja uma boa alternativa para debugar problemas que aconteçam num destes browsers mas não no Firefox. Nesse mesmo link é disponibilizada uma versão do Firebug Lite como bookmarklet. Basta arrastar o link para a barra de bookmarks do Firefox para poder utilizá-lo sem precisar instalar o Firebug.

  • Web Developer

    Esta extensão é uma das mais úteis no desenvolvimento web. Entre as opções disponíveis, ela permite visualizar o CSS da página, cookies, bloquear imagens e muitas outras funções.

  • Poster

    O Poster é uma extensão simples, porém muito útil para testar Web Services. Ele exibe uma janela com opções para digitar a URL de destino, o tipo de requisição (GET, POST, PUT ou DELETE), o body e os parâmetros. Feita a requisição, é possível visualizar a resposta recebida.

  • JavaScript Debugger

    Extensão muito poderosa, que exibe uma janela listando todos os arquivos Javascript da página atual. Pode-se definir breakpoints no código e executá-lo passo a passo, verificar e alterar valores de variáveis e tudo o que se espera de uma ferramenta de debug.

    Javascript Debugger

  • Greasemonkey

    Uma das extensões mais conhecidas, permite criar scripts usando Javascript para modificar o comportamento de sites específicos. O site Userscripts.org possui centenas de scripts pré-definidos para vários sites conhecidos. Com o Greasemonkey, você pode até mesmo ajudar a Vivo a adicionar suporte a HTML no Firefox.

  • Greasefire

    Extensão que adiciona ao Greasemonkey uma funcionalidade de busca automática de scripts para o domínio atual no Userscripts.org. Ao clicar no ícone do Greasemonkey, aparece uma nova opção no menu, que, ao ser selecionada, exibe em uma nova janela a lista de scripts encontrados.

  • CSSViewer

    O CSSViewer exibe todas as propriedades CSS dos elementos da página atual num div flutuante, conforme o cursor do mouse é movido pela tela.

  • X-Ray

    Mais uma extensão simples e útil. O X-Ray permite visualizar o código fonte de uma página sobre a própria. Desta forma, as tags HTML se misturam aos elementos da página, permitindo visualizar exatamente onde se localiza cada elemento do fonte, apesar de a visualização ficar um pouco confusa.

  • Live HTTP Headers

    Exibe numa janela os cabeçalhos HTTP de cada requisição, auxiliando na verificação de erros de rede. As informações dos cabeçalhos também podem ser exibidas numa barra lateral, e as URLs das requisições que serão analisadas podem ser definidas como expressões regulares.

    Live HTTP Headers

  • Aardvark

    Esta extensão permite excluir elementos da página com um clique. É muito útil para acessar sites muito poluídos, com excesso de elementos na tela, ou quando há algum elemento sobrepondo outro, no caso de erros de visualização de sites que não foram testados no Firefox. Também pode ser utilizado para remover elementos desnecessários antes de imprimir uma página.

  • MeasureIt

    Exibe uma régua para contagem de pixels de um elemento. Útil para ajustes finos no design.

  • JSView

    Exibe um ícone no rodapé do Firefox. Ao clicar nele, é possível visualizar automaticamente todos os arquivos CSS e Javascript da página atual. Pouco útil caso você já utilize o Firebug.

  • ErrorZilla Mod

    Quando uma página estiver inacessível, esta extensão exibirá uma tela alternativa de erro, com opções para consultar esta página no Google Cache, tentar ping e trace, entre outras opções.

    ErrorZilla Mod

  • CheckBoxMate

    Permite marcar vários checkboxes de uma vez, através de drag & drop. Esta extensão não tem qualquer relação com desenvolvimento web, mas resolvi incluir na lista pois acredito que pode ser útil, por exemplo, quando se deseja selecionar vários emails no seu webmail.

  • Stylish

    Praticamente um Greasemonkey para CSS. Permite criar folhas de estilo para URLs específicas e pesquisar no Userstyles.org por estilos pré-definidos para o domínio atual.

  • ColorZilla

    Permite descobrir o código RGB da cor do elemento atual, fazer zoom de até 1000% na página (para facilitar a seleção de um elemento específico) e selecionar cores numa paleta, entre outras opções.

  • PDF Download

    Converte páginas Web para PDF, além de permitir selecionar a ação desejada ao clicar em um arquivo PDF (download, abrir com o programa padrão, abrir no browser).

Além de muitas extensões úteis, existem outras nem tanto. A extensão mais inútil para Firefox, na minha opinião, é o Fast Close Tabs: você acha irritante ter que clicar no X à direita de uma aba para fechá-la? Com esta extensão, você pode fechá-la clicando no X da própria janela do Firefox!

Finalizando, um site que acho muito interessante é o Firefox Facts, que traz muitas dicas sobre o Firefox, principalmente sugestões de novas extensões e temas.


Conforme publicado no BR-Linux.org há algum tempo, segundo a Vivo, o Firefox não suporta HTML. Para ajudar a resolver este problema, basta usar o GreaseMonkey. Para quem não conhece, é uma poderosa extensão do Firefox que permite criar scripts em Javascript para modificar funcionalidades de sites específicos.

Ao instalar o script Corrigir Vivo Online, o Firefox finalmente passa a suportar HTML e a se comportar como um browser de verdade.


Recentemente foi lançada a versão 2.0.5 do Phusion Passenger, também conhecido como mod_rails. Esta versão é compatível com Ruby 1.8.7 e Rails 2.3, que nem foi lançado ainda, além de incluir algumas melhorias na estabilidade e correção de bugs. Não testei nenhuma versão do mod_rails depois da primeira, mas pela frequência de lançamento de novas versões e pelo que tem evoluído a cada versão, parece que tem tudo para se tornar um padrão para deploy de aplicações Rails.

Mais detalhes no blog do Phusion Passenger.


No meu computador pessoal, o acesso a Internet é através de um link de rádio. A autenticação no provedor utiliza PPPoE. Para configurar a autenticação no Windows XP, basta usar o cliente PPPoE que vem por padrão. No Ubuntu também é muito simples, basta executar o comando pppoeconf, e seguir os passos de configuração. Na maioria das perguntas só precisei selecionar a opção default. Fora isso, são solicitados username e senha do provedor. Ao término da configuração, a interface PPP já está configurada, e é ativada automaticamente na inicialização.

Apesar de a configuração acima ter funcionado no Ubuntu, a conexão parava de funcionar com frequência (a cada 20 ou 30 minutos, aproximadamente). Apesar de continuar aparecendo como ativa, eu não conseguia acessar nada. Quando isto ocorria, eu precisava executar o comando poff para encerrar a conexão e, em seguida, pon dsl-provider para restabelecê-la. A princípio, achei que fosse algum problema do provedor; porém, isso não ocorre no Windows XP.

Encontrei algumas referências a esse problema nos forums do Ubuntu, mas nenhuma solução definitiva. Para resolver, criei um script que verifica periodicamente se a conexão está ativa (na verdade, tenta pingar o site do provedor 3 vezes, aumentando o timeout a cada tentativa). Em caso negativo, executa os comandos poff e pon, conforme descrito acima, e repete o procedimento. Segue o script abaixo (salvei-o como /home/guilherme/scripts/internet.sh):

#!/bin/bash

cmd_ping="/bin/ping"
cmd_pon="/usr/bin/pon"
cmd_poff="/usr/bin/poff"
provider="dsl-provider"
host="www.radlink.com.br"
frequency="10s"
verbose=0

while [ true ]
do
    ok=0
    for timeout in 1 2 3
    do
        `$cmd_ping -q -c 1 -W $timeout $host > /dev/null 2>&1`
        if [ $? -eq 0 ]
        then
            ok=1
            break
        fi
    done

    if [ $ok -eq 1 ]
    then
        sleep $frequency
        continue
    fi

    `$cmd_poff $provider > /dev/null 2>&1`
    `$cmd_pon $provider > /dev/null 2>&1`
    if [ $? -ne 0 ]
    then
        $verbose && echo "Erro na conexão com o provedor"
        exit 1
    fi

    sleep $frequency
done

exit 0

Os parâmetros no início do script definem os paths para os comandos utilizados (ping, pon e poff), o nome do provedor, conforme foi especificado no comando pppoeconf (o default é dsl-provider), o host que será pingado e a frequência de execução do loop.

Para completar, coloquei este script na inicialização. Primeiro é necessário criar um script shell e salvá-lo no diretório /etc/init.d (usei este artigo como modelo):

#! /bin/sh

PATH=/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/sbin:/bin:/usr/sbin:/usr/bin
DAEMON=/home/guilherme/scripts/internet.sh
PIDFILE=/home/guilherme/scripts/internet.pid
NAME=internetd
DESC="Internet"

test -f $DAEMON || exit 0

set -e

. /lib/lsb/init-functions

case "$1" in
  start)
    log_begin_msg "Starting $DESC: $NAME"
    start-stop-daemon --start --quiet --background -m --pidfile "$PIDFILE" --exec $DAEMON
    log_end_msg $?
    ;;
  stop)
    log_begin_msg "Stopping $DESC: $NAME"
    start-stop-daemon --stop --quiet --pidfile $PIDFILE
    rm -f $PIDFILE
    log_end_msg $?
    ;;

  restart|force-reload)
    log_begin_msg "Restarting $DESC: $NAME"
    if start-stop-daemon --stop --quiet --pidfile $PIDFILE; then
        start-stop-daemon --start --quiet --background -m --pidfile "$PIDFILE" --exec $DAEMON
    fi
    log_end_msg $?
    ;;
  status)
    echo -n "Status of $DESC: "
    if [ ! -r "$PIDFILE" ]; then
        echo "$NAME is not running."
        exit 3
    fi
    if read pid < "$PIDFILE" && ps -p "$pid" > /dev/null 2>&1; then
        echo "$NAME is running."
        exit 0
    else
        echo "$NAME is not running but $PIDFILE exists."
        exit 1
    fi
    ;;
  *)
    N=/etc/init.d/${0##*/}
    echo "Usage: $N {start|stop|restart|force-reload|status}" >&2
    exit 1
    ;;
esac

exit 0

Em seguida, dê permissão de execução ao script (salvei o arquivo com o nome internetd):

sudo chmod +x /etc/init.d/internetd

Finalmente, para colocar o script na inicialização, o comando é:

sudo /usr/sbin/update-rc.d -f internetd defaults

Caso seja necessário interromper ou reiniciar o script, use o comando sudo /etc/init.d/internetd start/stop/restart.

Depois que atualizei o Ubuntu para 8.04 não tive mais esse problema, porém no Ubuntu 7.10 acontecia constantemente. Além disso, este procedimento só é necessário caso o seu ponto de Internet esteja conectado diretamente ao micro, o que era o meu caso na época. Como posteriormente comprei um roteador com Wi-Fi, todo esse procedimento tornou-se desnecessário, pois o próprio roteador passou a fazer a autenticação PPPoE. Para desfazer as configurações, primeiramente retire o script do init.d com o comando:

sudo /usr/sbin/update-rc.d -f internetd remove

Em seguida, remova a interface PPP que foi criada pelo pppoeconf editando o arquivo /etc/network/interfaces e removendo ou comentando as linhas correspondentes a essa interface. No meu caso, as linhas eram as seguintes:

auto dsl-provider
iface dsl-provider inet ppp
pre-up /sbin/ifconfig eth0 up # line maintained by pppoeconf
provider dsl-provider

UPDATE: os scripts acima estão disponíveis no meu GitHub.


Este vídeo do CollegeHumor faz uma paródia do Matrix, mostrando o que aconteceria se rodasse num Windows. Excelente. Destaque para os segundos finais… ;-)